Olá! Aqui é a Érica e venho pela primeira vez trazer aqui ao blog uma entrevista com a autora Larissa Barros Leal, que foi a responsável pela obra de "Érica". [estamos realmente ficando um blog chic!]

O LIVRO
Moscou. Dois jovens sobrevivem a um duplo atentado que mata quase todos os seus amigos. Cairo. Uma ONG islâmica tenta escapar de uma armadilha, arquitetada por integrantes da Ordem das Doze Tribos de Israel. Washington. Na sede da Ordem, a filha de um funcionário da Casa Branca cai em ciladas para que seu pai colabore com os radicais. Pequim. Um filho procura o pai, há meses desaparecido. Fortaleza. Em uma triste manhã, Érica encontra seus pais mortos... Nessa incrível trama, todas essas histórias se entrelaçam de forma impressionante. E somente Érica, que acaba de descobrir que foi incluída em uma lista negra da Ordem das Doze Tribos de Israel, poderá impedir uma grande desgraça planejada por judeus fundamentalistas, prestes a atingir a todos.

A AUTORA
Larissa começou a mostrar sua criatividade desde criança. 
Escreveu seu livro de estreia,  "Érica", entre os 15 e os 17 anos de idade. 











A ENTREVISTA
Who's that girl?: Quando você percebeu que gostava muito de escrever?
Larissa Barros Leal: Quando eu aprendi a escrever! Sem exageros, minhas lembranças quanto a escrever histórias remontam aos meus 5 anos, mais ou menos.
WTG: De onde veio os personagens? Se inspirou em alguém?
LB: A maioria veio naturalmente, conforme eu os escrevia. Evito usar conhecidos como inspiração para os personages, então conscientemente eles não foram baseados em ninguém.
WTG: Qual o seu livro/autor favorito? Se inspirou na hora da escrita?
LB: Isso depende muito da fase da vida em que estou e do que estou escrevendo. Na época de ÉRICA, romances policiais eram meus favoritos, e Harlan Coben se destacava. O livro pegou um pouco dos dele, e também de filmes de espionagem.
WTG: Na trama de “Érica” foi algo que – confesso – nunca ter lido em qualquer outro lugar, tanto é que o maior motivo de eu ter feito a compra de sua obra foi pela sinopse (mesmo eu tendo adorado muito o nome da protagonista que coincide com o meu hahaha). Como surgiram as ideias para a escrita?
LB: A ideia original veio após assistir o filme Salt, estrelado por Angelina Jolie. Conforme escrevia, as ideias foram se maturando e, em alguns casos, mudando drasticamente. A vida real também serviu de inspiração; acredito que isso fica nítido quando se vê a (triste) semelhança entre os acontecimentos da história com a atualidade.
WTG: Você gosta enquanto escreve compartilhar também algumas ideias ou partes da trama com alguém muito próximo para ter outras opiniões?
LB: Apenas cenas muito específicas. Para você ter uma ideia, meus pais mal sabiam sobre o livro se tratava até eu terminar, e meus amigos tinham apenas uma vaga noção. Foram pouquíssimos os trechos que mostrei a outros antes de terminar o livro. Eu não gosto que vejam o meu trabalho até ele estar pronto, porque tendo a mudá-lo bastante.
WTG: Qual a sensação de ver pessoas cada vez mais com seu livro em mãos? 
LB: É maravilhosa e um pouco surreal. Jamais imaginava que tantas pessoas teriam interesse pelo livro, e nem nos meus maiores sonhos eu recebia os elogios que já recebi de alguns leitores. Já chorei lendo resenha, sem brincadeira!
WTG: Já aconteceu de você cruzar com alguém que estivesse com sua obra? Qual foi sua reação?
LB: Infelizmente, isso nunca aconteceu. Mas, quando lancei o livro na Bienal de São Paulo, na hora reservada aos autógrafos, eu vi pelo canto do olho uma menina retirando um exemplar da mochila antes de levar para eu autografar. Como era o lançamento, não imaginava que alguém tivesse comprado o livro sem eu estar lá para divulgá-lo. Na frente dela, agi normalmente, mas assim que ela foi embora minhas mãos tremiam de felicidade! Desde então muitas pessoas falaram comigo pela internet sobre o quanto gostaram da história ou o quanto queriam ler ÉRICA, mas a visão dessa ilustre desconhecida me pedindo autógrafo quando ninguém sabia da minha existência sempre vai me marcar.
WTG: Qual foi a maior dificuldade na hora de publicá-lo?
LB: Pagar hahaha. Na verdade, fui rejeitada duas vezes antes de a Novo Século me aceitar. A partir daí, foi relativamente fácil.
WTG: Você pensa em publicar outro livro também? Já pode nos dizer mais ou menos um pequeno e simples resumo?
LB: Atualmente, tenho uma série em andamento. Não há previsão de término do 1º livro, pois eu só consigo ter avanços significativos nas férias. Faculdade de Medicina é pesada... Maaaas vou falar um pouco sobre ele.
Não tem absolutamente nada a ver com Érica. É uma saga de fantasia, ambientada em um mundo fictício, cujas principais inspirações foram Crônicas de Gelo e Fogo/Game of Thrones e Sailor Moon (coisas bem parecidas né?). Nesse mundo, existe uma Deusa que, a cada 300 anos, elege um grupo de garotas, que formam o Exército das Fadas, para proteger o planeta do seu maior inimigo: o Mal das Estrelas, assim chamado por ser um perigo desconhecido, mas que causa destruição por onde passa. A série gira em torno de duas amigas, Daniela e Cristiane, que são eleitas junto com outras garotas. Além da rotineira luta contra o Mal, elas e suas colegas têm que encarar desafios que nenhuma outra geração de Fadas já enfrentou. E esses desafios põem a amizade de longa data em xeque.
Acho que já contei o bastante haha. Essa história vem sendo um desafio ainda maior que ÉRICA (que foi bem desafiante já), mas eu amo desafios!!


Como considerações finais queria agradecer muito a autora pela entrevista e desejo muito sucesso a ela! 
Mais força e apoio a literatura nacional! 
                                                 


Apresentarei hoje os 5 livros mais bonitos em minha concepção, que sempre quando vejo realmente me toca e me transmite sentimentos.


5º - BEFORE YOU SUFFOCATE YOUR OWN FOOL de Danielle Evans


4º - A TRISTEZA EXTRAORDINÁRIA DO LEOPARDO-DAS-NEVES de Joca Reiners Terronn

3º - CEM ANOS DE SOLIDÃO de Gabriel García Márquez

2º - AMOR É TUDO QUE NÓS DISSEMOS QUE NÃO ERA de Charles Bukowiski


1º - EU RECEBERIA AS PIORES NOTÍCIAS DE SEUS LINDOS LÁBIOS de Marçal Aquino  (resenha aqui)

Beijinhos e até!


Oi, gente!


Eu tô adorando trazer entrevistas aqui pro blog... espero que vocês, também!

A de hoje é bem especial. Uma autora que conheço "de longe" e acompanho o trabalho pelo Facebook e Wattpad, que faz muito sucesso com seus livros de romance na plataforma gratuita, já conquistando mais de dois milhões de fãs. A simpatia de Paula me deu coragem para chegar e entrevistá-la, então aqui vamos para o - maravilhoso - resultado!



Primeiro, nos conte um pouco sobre você. Quem é Paula Oliveira?

Bom, sou uma paulista de vinte e três anos que sonha em um dia ser uma escritora reconhecida por seus romances. Tenho meus medos, minhas alegrias e minhas coragens. Sou mais nervosa do que calma, e mais chorona do que durona. Sou escritora há três anos, e sei que é o que quero ser para sempre.

1. Como descobriu a paixão pela escrita?

Na verdade, gosto de dizer que a escrita quem me descobriu. Eu sempre gostei de me expressar pelas palavras. Quando ainda estava no ensino fundamental, eu vivia escrevendo cartas para os meus pais, me desculpando de alguma travessura. E não eram cartas pequenas, eram sempre detalhadas e com um drama no final. Quando dei um tempo em um relacionamento, escrevi cartas e mais cartas, desabafando. Ainda bem que ele nunca as leu, pois estamos juntos até hoje rsrs. Mas, foi no dia dezenove de maio de 2013 que eu escrevi o rascunho do meu primeiro livro, Essencial. Depois que minha tia finalizou o primeiro livro dela, uma vontade incontrolável despertou dentro de mim, e resolvi tentar. Até hoje sei que foi uma das melhores decisões que já tomei.

2. O que sente quando uma nova história chega até você? Quando esse momento acontece, o que você faz? Espera ou escreve imediatamente?

Sinto como se eu estivesse sendo renovada. Geralmente, eu não me aguento e começo a escrever. Com meu segundo livro, o 101 dias com ele, eu lutei um pouco, pois estava sem meu computador. Mas não teve jeito, porque eu não parava mais de pensar na história. Até que me rendi e comecei a escrevê-la pelo celular mesmo, e 90% do livro eu escrevi pelo celular rsrs. Com o meu terceiro livro, Jogo Proibido, a história entrou na minha cabeça em uma tarde de sábado, quando eu estava dentro do ônibus voltando para casa. E não deu outra; assim que cheguei corri para o computador e comecei a escrever.

3. Seus livros fazem muito sucesso no wattpad. Imaginava que fosse ser assim?

Com toda a certeza, não. Nem em meus sonhos mais audaciosos eu imaginava que meus livros pudessem alcançar esses números de leituras. Porque quando coloquei o Essencial lá, as leituras e os comentários aconteciam devagar e para mim já estava ótimo daquele jeito. Mas, quando coloquei o 101, foi como se as leituras já estivessem vindo junto. Foi muito rápido, e isso ainda me assusta. Mas o carinho direto dos leitores é a melhor recompensa, em minha opinião. Não largo mais esse site por nada rsrs.

4. Você tem noção de quantas pessoas já se apaixonaram por seus livros?

A noção que tenho é pelas leituras e comentários, que no 101, por exemplo, apenas no epílogo, já somam mais de quarenta mil leituras e quase mil comentários. Sei que isso é ainda maior, pois existem os leitores fantasmas rsrs, mas noção, noção das pessoas que são apaixonadas por meus livros, eu não tenho. É um amor e uma gratidão muito grande que tenho por tudo isso.

5. Pretende seguir carreira de escritora, ou é mais como hobby?

Olha, sinceramente, eu considero que já ingressei nessa carreira. Claro que estou no começo e tenho muito que aprender e caminhar ainda, mas eu amo escrever, e é isso que quero fazer sempre e profissionalmente.

6. Comente sobre o mercado editorial no Brasil atualmente.

Eu me lancei como autora publicando de forma independente, só depois que assinei contrato com uma editora. Mas pelo que vejo de colegas que estão atualmente no mercado, é que se você não tem um público fiel para oferecer a determinada editora, essa mesma editora provavelmente não irá por muita “fé” em você. E isso é muito triste. Não estou generalizando, mas muitas editoras cobram preços muito altos também. Então, ou você tem as vendas do seu livro garantidas mesmo, ou você tem dinheiro para pagar a eles; essa é a verdade. Porque se você não tem isso, será muito mais difícil, porém, não impossível. O jeito é pesquisar bastante, pois também existem algumas editoras pequenas que publicam sem nenhum custo da parte do autor. Mas, tomem muito, muito cuidado com os contratos. Leiam atentamente e deixem alguém que entenda ler também. Eu sou a prova viva de que palavras bonitas o vento leva... Então, pesquisem e trabalhem bastante por seus livros, porque um dia você será reconhecido.

7. Quando o temido bloqueio criativo chega, o que faz?

Eu costumo ler ou assistir algo que seja do mesmo gênero. Isso costuma me dar novas idéias e me inspirar. Mas caso não funcione, eu dou um descanso para a minha mente e retorno a escrita quando sinto vontade.

8. Vários de seus leitores também são escritores, que conselho você dá a eles?

Muitos! Acho que depois de escrever, o que mais faço é dar conselhos. Sei lá, eu acho que devo repassar tudo que aprendo. Talvez, posso evitar de a pessoa cometer o mesmo erro que eu. Geralmente meus conselhos são para que eles não desistam só porque está difícil. É um árduo caminho, mas garanto que vale a pena.

9. Tem algum projeto futuro ou em andamento? Se puder, nos conte um pouco sobre.

Tenho um projeto em andamento que é o Jogo Proibido, e três projetos futuros rsrs. Depois de JP, irei começar a escrever o spin off de 101 dias com ele, que contará a história da Monique. Depois, já dei início a um suspense, com romance e muito drama. Será minha primeira ficção e estou bem ansiosa. O nome por enquanto é Feridas de Um Passado Sombrio. Gostou? Rsrs. E, mais para frente ainda, também tenho no início outra ficção e será minha primeira trilogia: A Destinada. Terá muito romance, muito drama e muito suspense. Por enquanto é isso rsrs.

10. Você é muito humilde, dá muita atenção aos fãs. Deixe uma mensagem para os leitores aqui do blog

Eu apenas retribuo o que recebo. Sou loucamente apaixonada por todos os meus leitores, e é tanto carinho que sei que nunca nada do que eu falar será o suficiente. Todo esse contato que temos, através das redes sociais, é um pagamento por todo o trabalho que faço e por todas as dificuldades que enfrento. Sou eternamente grata por todo apoio e incentivo que recebo diariamente, em forma de leituras, curtidas, comentários e mensagens. Não sei se sou merecedora de tanto, mas prometo sempre dar o meu melhor a quem está sempre comigo, mesmo que seja um leitor fantasma rsrs. Porque aparecendo ou não, sei que estão ali, e isso é tudo o que me importa; ter meus leitores sempre por perto. Amo vocês!


Foi isso, gente! Espero que vocês tenham gostado. 
A Paula é uma fofa e uma ótima autora. Aqui você conhece seus livros:


Todos podem ser lidos no wattpad, plataforma independente de publicação. Clique aqui para seguir a autora e conhecer um a um.

É isso, gente! Espero que tenham gostado da entrevista. Mais uma vez, obrigada Paula! Foi um prazer. 
xoxo, 

até a próxima!


Oi, gente!

Tudo bem com vocês?
Hoje venho com uma resenha de um dos últimos livros que finalizei: Temporada de Segredos, de Sally Nicholls, mesma autora de Como Viver Eternamente, que tem resenha aqui no blog já, e pra ler é só clicar aqui. 

Vamos lá?

Título original: Season of Secrets || Autora: Sally Nicholls || Categoria: Romance Estrangeiro || Editora: Geração || Páginas: 244 ||
Sinopse: Perdida de sua irmã, Molly vê um rapaz sendo caçado numa floresta. Aterrorizada, ela tenta ajudá-lo e sente compaixão. Voltando para a casa de seus avós, conta a todos o que ocorreu, mas quando procuram o homem ferido, não o encontram e atribuem a imagem à fértil imaginação da menina. No dia seguinte, numa velha igreja, Molly percebe, surpresa, que o rosto daquele misterioso rapaz está esculpido em uma coluna. Quem seria ele? No desenvolver da história, nos envolvemos com o misto entre mistério e magia que envolve aquela noite de perseguição, ao mesmo tempo em que nos sentimos comovidos pela triste histórias das irmãs, órfãs de mãe e levadas pelo pai para serem criadas pelos avós. Vemos o texto se desenvolver pela ótica de Molly, o que nos leva a imaginar o mundo dela, como uma criança. Ao mesmo tempo, o livro nos faz lembrar das fábulas de infância que tanto admirávamos e nos causa grande impacto, pelo fato de alguém tão jovem ter que lidar com algo tão complexo como a doença e a morte da mãe.


Molly é uma menina meiga, que as vezes inventa histórias, e sente muito a falta da mãe. Vivendo agora com sua irmã na casa dos avôs, Molly se sente sozinha e anseia por um mundo diferente, onde seja possível que as pessoas mortas voltem ao nosso mundo.

Depois de uma noite chuvosa, onde Molly foge da casa dos avós, ela acaba se deparando com um homem em perigo, na floresta. Com seu espírito caridoso, Molly sente pena do rapaz e tenta ajudá-lo, mas não há muito o que se fazer. 

Depois de contar tudo a seus avós, ela acaba sendo ignorada por acharem que está inventando mais esse ocorrido. A menina, que narra o livro, nos dá detalhes do que vê e fala, de uma forma sonhadora, de como desejaria que a vida fosse mais como nos livros de fantasia, que tivesse mais magia e mais bondade. 

A relação das irmãs com o pai também é bastante conturbada. Ele não as vê com frequência e, quando tenta, não é bem sucedido. 

O livro é curto, com a diagramação bem espaçada e uma linguagem infanto-juvenil que nos faz ler rapidamente, como em "Como Viver Eternamente", podendo ter a possibilidade de finaliza-lo em algumas horas. Não é a melhor história do mundo. O primeiro nome do livro "A menina que conversa com o verão" dá uma sugestão melhor do que podemos ler nessas páginas, mas mesmo assim, engana um pouco nossa mente sobre as expectativas. Não é um livro de fantasia como estamos acostumados. É mais um livro sobre uma criança com imaginação fértil e um fenômeno incomum. 

Nota: ★ 


É isso, gente! 

Espero que vocês tenham gostado da resenha. Demorei muito para trazê-la aqui pro blog, não sabia como conduzir um comentário sobre o livro, que me dividiu muito. Espero que, se vocês lerem, gostem.
Beijos!
e até a próxima.


Olá todo mundo! Não, eu ainda não morri, mas essa coisa de último ano da escola e TCC no curso técnico está me matando e levando junto o meu pouco tempo que me restava.
Então para recompensar o tempo perdido, hoje que consegui ter um tempinho eu vim correndo fazer uma tag!

TAG MATÉRIAS LITERÁRIAS 


1 - Matemática - Um livro que a maioria critica

Simplesmente por ser um clássico não é um livro bem visto aos olhos das demais pessoas (chato, maçante, irritante...).
Porém eu realmente gosto dessa leitura.







2 - Português - Um livro com uma escrita difícil de ser lida

Livro com a linguagem tão simples que chega a ser "bobinho".












3- História - Um livro que conta uma história real de alguém ou lugar

Livro que te leva ao outro lado do continente, literalmente.
Ele conta a história de Marjane que viveu a vida inteira sendo limitada pelo governo ditador.








4 - Biologia - Um livro que tenha animais

Título auto-explicativo  (hahaha)














5 - Física / Química - Um livro que você leu e não lembra quase nada
Desculpa, mas eu realmente não lembro de nada mesmo, apenas do filme que assisti inúmeras vezes.











6 - Geografia - Um livro em que a história se passe em um país/cidade pouco conhecido

Eu sou muito ligada em geografia, história, sociologia, letras e tudo que envolva a área de humanas, então é muito "raro" eu não me associar, por exemplo, a um país diferente do nosso e achar super estranho. Por essas razões escolhi (mesmo fictício) esse livro porque essa biblioteca do Mr. Penumbra durante o livro todo continuou sua vibe como um lugar estranho, curioso e misterioso.

E é isso, pessoal, desculpem-me por o sumiço (que infelizmente vai continuar acontecendo) e sentem-se livres para fazerem a tag se gostarem. Beijos! :)