Oi, gente! 

Como estão?
A resenha de hoje é do livro #3 da série Eu Amo, escrita pela Lindsey Kelk e lançada no Brasil pela editora Fundamento. Você pode saber um pouquinho mais sobre a série aqui.
E sobre a autora, aqui.
Agora, vamos a resenha. 💜💜

Sinopse: Angela está a caminho da cidade mais romântica do mundo: Paris. Um lugar perfeito para o amor... e problemas!
Depois do alvoroço em Hollywood, Angela volta à amada New York. Sua vida está perfeita novamente: tem o emprego dos sonhos na badalada revista The Look e está a um passo de ir morar com Alex, seu namorado lindo e sexy. Então, quando ele é contratado para tocar num Festival em Paris e a convida para ir junto, ela aproveita a oportunidade para escrever um guia de viagem sobre a cidade mais romântica do mundo! Munida de muito estilo e determinação, Angela explora as charmosas ruas de Paris em busca de destinos descolados para o seu artigo. Mas logo ela percebe que há algo muito errado... Parece que alguém está sabotando seu trabalho!
Sem Jenny por perto para aconselhá-la, Alex ocupado com os compromissos da banda e, de quebra, a “ex” de seu namorado a atormentando, Angela sente que seu emprego está por um fio e que sua vida amorosa está desmoronando. Estando tão perto de sua casa em Londres, ela pode largar tudo em Paris e voltar para a segurança de sua família. Mas é isso mesmo o que ela quer? Perder seu emprego é uma coisa, mas e quanto a perder Alex? É hora de Angela descobrir o que realmente importa em sua vida...

Ah, Paris! A cidade luz, a cidade do amor, o destino perfeito para os apaixonados. Tanto apaixonados por seus pares românticos, como por moda e estilo de vida, como Angela. A blogueira da revista The Look acaba de desembarcar na França com seu namorado, o Rockstar Alex, onde ele irá tocar num festival e ela irá perambular por Paris e escrever seu olhar sobre a cidade. 
Parecia que nada iria abalar a felicidade de Angela. Mas, é de Angela Clark que estamos falando, e, por já conhecer nossa heroína, sabemos que nada sairá tão bem quanto o planejado. 


Eu Amo Paris segue a mesma fórmula dos primeiros livros. Nossa personagem querida sofre com o azar sempre ao seu lado, ciúmes do namorado e os dramas de um relacionamento com alguém badalado como um astro do indie rock. Além da cidade luz de cenário, pouca coisa muda na trajetória da Angela, e isso me incomodou um pouco enquanto lia - nós podemos prever facilmente o que acontecerá e como o livro irá se resolver (porque sempre se resolve). Esse é um ponto negativo, mas, embalado com a espiritualidade da personagem, as postagens no blog, e a narrativa divertida de Lindsey Kelk, o livro pode ser bem aproveitado. 

Eu, particularmente, adoro a escrita da Lindsey e continuo lendo seus livros, mesmo saindo um por ano HAHAHA As histórias me inspiram e eu não nego que adoro esses livros "só para entretenimento".

I Heart Paris pode ser lido fora de ordem da série sem problema. Acho que não há tantos spoilers dos livros anteriores, e os que há, a autora nos dá um "up" do que aconteceu, só para não nos perdermos no meio da história. Dos três lidos da série, I Heart Paris não se tornou meu favorito, mas não deixa de ser uma boa leitura.

Se você se interessou e quiser ler a resenha dos primeiros livros, clique aqui.


O livro #4 da série, Eu Amo Vegas, já foi lançado no Brasil. Resta esperar o lançamento dos próximos, e torcer para a autora ganhar reconhecimento aqui. Já são mais de 10 livros lançados, e só conhecemos a Série Eu Amo por aqui. Tá na hora de mudar isso, né?! hehe


Oi, gente!

Como estão?

Não é novidade que sempre falo de série aqui. Desde minhas favoritas (como é o caso desse quadro, "minha série") até as que só estou assistindo no momento, no "O Que Andei Vendo". Hoje venho falar pra vocês de uma série de comédia que me deixou completamente fisgada desde o primeiro episódio. É dos mesmos criadores de Sex And The City, e tem no elenco Hillary Duff (Lizzie McGuire), Nico Tortorella (The Following), Miriam Shor, Debi Mazar (BFF da Madonna, gente!) e Sutton Foster (Bunheads). 

Não conhece? Então vem ler:

Younger conta a história de Liza (Sutton Foster) uma mãe solteira que de repente se encontra de volta no mercado de trabalho, mas sua idade se tornará um fator de dificuldade. Porém, as coisas mudam quando ela conhece Maggie (Debi Mazar), que acha que ela aparenta ser muito mais jovem do que realmente é. Ela acaba trabalhando como assistente e faz amizade com colegas na casa dos 20 anos, como Kelsey (Hilary Duff).


A série é adaptada do livro homônimo escrito por Pamela Redmond Satran, e lançado em 2005. Aqui no Brasil o livro é vendido, mas sinceramente, eu não tinha ouvido falar da obra até o lançamento da série. 


3 motivos para assistir:

Girl Power

Com um elenco quase 100% feminino, Younger nos traz personagens fortes, amizades femininas verdadeiras, mulheres empresárias, chefes, inovadoras... o poder feminino em todas as formas. É comum ter episódios com diálogos abertos sobre sexo e a sexualidade feminina, menstruação, feminismo e sororidade. Além do mais, a série foca na vida de Liza, uma mulher de 40 anos que está em busca de um emprego no seu ramo (editorial) depois de passar 18 anos afastada do cargo, pois escolheu se dedicar a vida de esposa e mãe. O foco da série é mostrar que idade é apenas um número e Liza pode muito bem ser alguém competente e "por dentro", mesmo "passando da idade ideal para os negócios". 
Personagens femininas fortes, mulheres mais velhas provando que podem tanto quanto as mais novas, o universo lésbico explorado de forma consistente e nada debochado, amizade feminina sem falsidades ou segundas intenções. É a série perfeita para o momento feminismo.  

Universo dos Livros

Liza volta ao ambiente profissional na editora de livros Empirical, que está abrindo um novo selo jovem, direcionado ao público YA, e Liza fará parte de tudo isso com a mais nova empresária a ser encarregada por um selo próprio, Kelsey (Hillary Duff). No dia-a-dia da Liza, ficamos por dentro do que acontece em uma editora, do trabalho de seleção de livros, da contratação de novos autores e até a "polêmica" dos YouTubers lançando livros (não é só aqui no Brasil, gente!). É interessante acompanhar o trabalho por dentro da editora e a organização por trás do lançamento dos livros. 

Todo o conjunto

Se você ainda não se convenceu de assistir a Younger mesmo depois de saber do elenco, os criadores, todos os tombos feministas, etc., que tal saber que a série conta com apenas vinte e dois minutinhos, e temporadas de 12/13 episódios? No primeiro, você já se sentirá fisgado(a), eu prometo. A química entre os personagens é inegável, o ritmo da série corre agitado, Nova York nunca pareceu tão badalada, e as músicas atuais compõem o conjunto perfeito de série moderna, feminina e engraçada. 
Younger fala sobre relacionamentos, amizade e sexualidade de uma forma sutil, um ponto positivo na trama, algo que faz parte daquele universo. Nada em Younger é imposto no espectador, nada é forçado. Esse foi um dos principais motivos de ter me feito continuar assistindo e gostando cada vez mais.


Olá!

Hoje vim trazer a todos uma tag que gostei muito que consiste em comparar duas coisas que amo: livros e música. Então vamos lá!

 POR LUGARES INCRÍVEIS - Jennifer Niven

Sempre imagino essa música para esse livro, porque ambos me causam um vazio.
Em geral, abordam a depressão e o suicídio. 

"So walk away. In silence"











O HOBBIT - J. R. R. TOLKIEN

É impossível não lembrar dessa música, porque ela faz parte da adaptação cinematográfica do filme, sem contar que conta muito a história da obra.













ISCAS - J. KENT MESSUM

 O livro é baseado em personagens todos viciados em heroína e o que a música do Alice in Chains mostra é exatamente a rotina de um viciado em heroína.












A LISTA NEGRA - JENNIFER BROWN

O livro fala sobre como toda a pressão da rejeição em pleno ensino médio pode trazer um ódio tão grande ao ponto da vitima protagonizar um massacre. A música, todos devem saber, é baseada no massacre de Columbine onde dois estudantes mataram inúmeros estudantes.










ELEANOR E PARK - RAINBOW ROWELL

 NO WAY!
É unânime, todo mundo certamente deve lembrar de The Smiths quando se trata desse livro. Todo o ambiente criado, as músicas citadas e o fato da Eleanor amar The Smiths.
Imagino essa música para quando ela conhece o Park.








E é isso aí, obrigado por lerem e espero terem gostado da tag.