Oi, gente <3

Você acredita em amor à primeira vista? Ao primeiro contato, a primeira conversa? Acredita que o amor pode acontecer, pode ser fruto da química entre dois corpos, e unir duas pessoas para sempre? Eu, sim. Se você, não, tudo bem. O livro que venho falar sobre aqui hoje também é pra você.
Mais uma resenha de um livro da Nicola Yoon aqui. Estão prontos? <3

Título Original: The Sun is Also a Star
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Autora: Nicola Yoon
Sinopse: Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.
Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.
O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?
 ♡ ♡ ♡ ♡

Mais uma vez peguei um livro para ler sem expectativa nenhuma. Estou gostando desse negócio. Eu já tinha ouvido falar do livro – é claro, estando sempre ligada nas novidades de lançamento – mas mesmo assim, não criei nem um pingo de expectativa. Como aconteceu com o primeiro livro que li da Nicola Yoon, eu fui sem saber de nada, e fui surpreendida. E posso dizer que a surpresa foi bem maior com esse do que com Tudo e Todas as Coisas.

O Sol Também é Uma Estrela fala de amor da forma mais singela e sincera que conhecemos. O amor adolescente geralmente é assim bastante intenso e instantâneo, mas aqui vemos uma coisa diferente.

Natasha, nossa personagem principal e parte narradora (o livro se divide em narrações em primeira pessoa de Natasha e Daniel, e também pontos de vistas de outros personagens importantes; volto nisso daqui a pouco) não acredita no amor. Natasha é cética. É cientista. Acredita que o amor não é isso tudo que o mundo está acostumado a achar, não é nada incrível. É uma combinação de sensações e reflexos do corpo, etc., etc. Ela não quer se apaixonar, e nem acredita que vai.

Daniel, do contrário, é totalmente romântico. 100%. Poeta, sonhador, apaixonado.  Daniel tem certeza que o amor é algo que a ciência não pode provar, mas que existe. Não precisa ser provado, precisa apenas ser sentido.

Natasha e Daniel são dois opostos e, mesmo parecendo impossível entrarem num acordo, Nicola Yoon desenrola muito bem o enredo, fazendo parecer simples toda essa ciência por trás da paixão.

O Sol Também É Uma Estrela é um livro importante. Aborda assuntos que não vemos por aí em todo lugar, em qualquer livro YA, como relação inter-racial e imigração. Natasha está em seu último dia nos Estados Unidos antes de ser deportada junto com a família para a Jamaica, seu país de origem, e está tentando dar uma solução a esse pesadelo. Daniel é um adolescente Coreano-Americano atrás de se desfazer do destino que seus pais planejaram para si. Ambos estão tentando sair de situações a quais estão sendo impostos, e encontram, um no outro, essa janela, uma brecha para escaparem de seus destinos aparentemente já traçados.

Uma das coisas que mais gostei no livro foi que ele não se prende a apenas um ponto de vista, não nos conta apenas uma história. Natasha conta sua versão dos fatos, e Daniel a sua própria. Mas tem mais além disso. Personagens que contribuem para o encontro do casalzinho também têm sua própria voz no livro. Suas histórias são contadas em terceira pessoa, e estão ali para nos mostrar que eles também estavam destinados a estar naquele lugar, àquela hora, por um motivo ou outro.

Eu adoro livros que falam de destino, coincidências, e essas coisas que acabam unindo duas pessoas, seja qual nome você queira dar. O Sol Também É Uma Estrela fala exatamente sobre isso. Sobre como cada uma de nossas decisões nos levam a um ponto. E o ponto em que Daniel e Natasha precisavam estar era exatamente ali, ao lado um do outro. A hora? Bem, pode ou não ter sido a melhor. Mas foi a certa.

Nem sempre o certo precisa ser o melhor. Nem sempre o amor pode ser provado. Mas nem tudo precisa de evidências. Nem sempre uma coisa é certa, só porque achamos que sim. Certezas podem ser desconstruídas, é só nos deixarmos acreditar.
Recomendo a leitura, com certeza. Para todos aqueles que não acreditam no amor instantâneo, e os que acreditam. É um livro que nos mostra os dois lados, e como podemos ceder sem demonstrarmos fraqueza. 


3 Comentários

  1. Oi, Renata!
    Eu já li o outro livro da autora e me decepcionei bastante. Por isso estou com super pé atrás com esse.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Dois Anos de Família Hallinson

    ResponderExcluir
  2. Oi
    que bom que adorou a leitura, estou vendo opiniões diversas dele, quero ler algo dessa autora e realmente os temas que citou relação inter-racial e imigração não lembro nem de ter lido livros com esse assunto.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir